Blogger templates

traduzir para inglêsTraduzir para Espanholtraduzir para françêstraduzir para alemão

terça-feira, 21 de Outubro de 2014

Beringela Recheada com Vitela e Painho

















3 beringelas
400 g carne de vitela picada
150 g de painho de qualidade (usei da marca Sicarze)
1 cebola
2 dentes de alho
3 tomates, reduzidos a puré
4 c. sopa de polpa de tomate com alho e cebola (usei da marca Compal)
3 c. sopa de azeite (usei o Azeite Castelo de Marvão)
1 dl de vinho
2 c. chá de orégãos picados
200 g de queijo ralado  (usei o queijo flamengo ralado Terra Nostra)
Molho de piripiri a gosto (usei o extra-picante da Paladin)
Pimenta q.b. (usei da marca Margão)
Sal q.b. (usei a flor de sal Marnoto)


Comece por lavar as beringelas e corte-as ao meio no sentido do comprimento. Com a ajuda de uma faca faça vários cortes no interior das beringelas e retire-lhes a polpa com uma colher, de modo a que a casca fique inteira. Pique a polpa das beringelas e reserve.
Salpique as metades de beringela com sal e deixe assim por 30 minutos. Ao fim deste tempo, escorra a água que se formou e tempere com um fio de azeite.
Enquanto isto, aqueça o azeite e junte-lhe a cebola e os dentes de alho bem picados, deixe amolecer e junte a carne picada e o painho em pedaços. Deixe cozinhar um pouco, mexa, e adicione o miolo da beringela que reservou.
Acrescente o tomate picado, a polpa e o vinho. Tempere com sal, pimenta, molho de piripiri e orégãos picados, deixando cozinhar até apurar. De seguida, passe a mistura pela varinha mágica até obter um preparado homogéneo.
Entretanto, ligue o forno a 180ºC e preencha as metades de beringela com a mistura da carne, polvilhe com queijo ralado e leve ao forno durante 25 minutos.





Para acompanhar esta entrada, recomendo:

Espumante São Domingos Tinto Bruto 2009 DOC Bairrada  
Caves do Solar de São Domingos

Castas: Baga (100%)

Notas de prova :
Apresenta uma bonita espuma rosada, muito frutado no aroma, lembrando frutos silvestres e morangos frescos. Na boca é cheio, refrescante e persistente.

Método Clássico:
Após a segunda fermentação em garrafa o vinho é estagiado em cave sobre as leveduras por um período de 16 meses, à temperatura constante de 12ºC e, assim, encontrar o equilíbrio perfeito de riqueza, sabor e elegância.
Para a remoção das leveduras procede-se à remuage durante 2 meses. O degorgement glacée liberta as leveduras e de seguida adicionamos uma pequena quantidade de licor de expedição para terminar o vinho. Depois de um período de dois meses após todo este processo a garrafa de espumante está pronta para entrar no mercado.





Aqui estão os produtos fantásticos que usei na preparação deste prato.

O meu muito obrigada à Sicarze, Compal, Terra Nostra, Paladin, Margão, Azeite Castelo de Marvão, Necton Caves do solar de São Domingos pela simpatia e pelos produtos, de grande qualidade, que me enviaram






segunda-feira, 20 de Outubro de 2014

Salmão Grelhado com Marinada de Limão e Salada de Pimentos















2 postas de salmão
1/2 limão em sumo
2 c. sopa de azeite (usei o azeite biológico virgem extra da marca Acushla)
1 dente de alho esmagado
1 c. de cebola picada
Sal a gosto

2 pimentos vermelhos
2 pimentos verdes
2 pimentos amarelos
4 dentes de alho
50 ml de azeite  (usei o azeite biológico virgem extra da marca Acushla)
3 c. sopa de vinagre (usei o vinagre de vinho de aroma a cebola envelhecido em barricas de carvalho da Paladin)
Sal q.b. (usei a flor de sal Marnoto)


Tempere o salmão com o sumo de limão, o alho, a cebola, sal e o azeite, deixe marinar por 1 hora no frigorífico.
Após este tempo, escorra o salmão da marinada e leve-o a grelhar de ambos os lados.
Enquanto isto, lave muito bem os pimentos e leve-os a grelhar, virando-os até estarem assados de todos os lados. Pele os pimentos, faça-os em tiras e limpe-os de todas as peles brancas e sementes. 
Coloque os pimentos no recipiente, junte os dentes de alho descascados e picados e tempere com o azeite, o vinagre, sal e pimenta.
Sirva o salmão regado com um fio de azeite e acompanhado da salada de pimentos.



Para acompanhar este prato, recomendo:



Conde Villar Rosé
Quinta das Arcas


Denominação: DOC Vinho Verde
Ano: 2013
Castas: Espadeiro

Aspecto: Muito equilíbrio entre o alcool e a acidez. Cremoso e macio.
Aroma: Frutado e fresco. Aromas de frutos de baga vermelhas com predominancia para o morango e a framboesa.
Paladar: Muito equilíbrio entre o alcool e a acidez. Cremoso e macio.







Aqui estão os produtos fantásticos que usei na preparação deste prato.

O meu muito obrigada à La GondolaAcushlaPaladin, Necton Quinta das Arcas pela simpatia e pelos produtos, de grande qualidade, que me enviaram.




domingo, 19 de Outubro de 2014

Paté de Petingas à Antiga Portuguesa


















2 conservas de petingas em azeite (usei as petingas à Antiga Portuguesa da La Gondola)
1 colher de chá de cebola picada desidratada
6 colheres de sobremesa de maionese
1 pitada de sal (usei a flor de sal Marnoto)
1 pitada de pimenta branca (usei da marca Suldouro)
1 colher de chá de salsa seca
1 embalagem de tostinhas

Abra a lata das sardinhas e retire-as, escorrendo-as do molho. Separe o peixe da espinha central e descarte-a, esmagando-o com um garfo. Transfira as sardinhas moídas para uma taça e junte a salsa picada, a maionese, a cebola desidratada, o sal e a pimenta. Misture tudo muito bem com uma colher, amassando de modo a que obtenha um paté homogéneo. 
Leve ao frigorífico até servir e decore com folhas de salsa fresca.
Sirva com tostinhas.



Para acompanhar esta sopa, recomendo:


Douro Branco Seco DOC 2013 - Quinta do Estanho

É um vinho do Douro branco, produzido a partir das castas Malvazia Fina, Malvazia Grossa, Gouveio e Rabigato.
A conjugação destas castas com fermentação controlada a baixas temperaturas, origina um vinho harmonioso de características nobres.

Prémios:

Medalha de Prata - Colheita Seleccionada 1999
• I Grande Concurso Nacional de Produtores Engarrafadores do Clube do Vinho - PORTUGAL

Medalha de Prata - 1998
• IV Concurso da Produção - Colheita 1998 - Casa do Douro - PORTUGAL





Aqui estão os produtos fantásticos que usei na preparação deste prato.

O meu muito obrigada à La Gondola, Suldouro, Necton e Quinta do Estanho pela simpatia e pelos produtos, de grande qualidade, que me enviaram.





sexta-feira, 17 de Outubro de 2014

Delícias Geladas de Caramelo e Maracujá - Desafio Carte D'or "A Gelateria em sua casa"

















Na passada semana, a Carte D'or convidou-me a participar num desafio que consistia em escolher um dos gelados da marca e utiliza-lo como ingrediente principal numa receita. Para me auxiliar na preparação da mesma, foram-me enviadas numas forminhas de muffin amorosas, em silicone e com o carimbo da marca.

Como já devem de ter percebido, não pude recusar um desafio tão "doce" e decidi utilizar o meu gelado favorito para a confeção da sobremesa e a minha fruta predileta. Ou seja, Carte D'or Crème Caramel e maracujás.
O resultado não poderia ser melhor, pois resultou numa espécie de mousse gelada, com pedacinhos crocantes e um sabor incrível. Uma verdadeira delícia.






500 ml de gelado Crème Caramel Carte D'or
2 claras de ovo
5 maracujás roxos
1 c. sopa de açúcar em pó

Molho:
4 c. sopa de polpa de maracujá com sementes
250 ml de água
2 c. sopa de açúcar
1 c. chá de amido de milho



Misture o gelado com a polpa dos maracujás e o açúcar, bata muito bem para incorporar.
Bata as claras em castelo firme e adicione-as ao preparado anterior, envolvendo delicadamente até obter um creme homogéneo.
Verta em forminhas de silicone untadas com óleo vegetal e leve ao congelador por 2 horas. Desenforme para pequenos pratos e regue com o molho de maracujá.

Retire a polpa aos maracujás e deixe ficar as sementes. Dissolva o amido num pouco da água indicada e adicione a restante a um tacho. Junte-lhe o açúcar e a polpa de maracujá e leve a lume brando. Mexa e deixe ferver por 2-3 minutos, acrescente o amido, envolva com uma vara de arames e deixe espessar um pouco.



Migas com Entrecosto



















500  g de entrecosto, em pedaços pequenos
1 c. chá (bem cheia) de massa de pimentão (usei a massa de pimentão à antiga da Paladin)
3 dentes de alho
1 fio de azeite (usei o azeite virgem extra Monsaraz da marca Carmim)
1 c. chá de banha de porco
300 g de pão tipo caseiro (usei o pão em forno de lenha da marca Costa & Ferreira Panificadora)
3 laranjas fatiadas
Sal q.b. (usei a flor de sal Marnoto)
1 pitada de pimenta (usei da marca Suldouro)
Coentros frescos
Água a ferver q.b.

Comece por temperar o entrecosto com um pouco de sal, 1 fio de azeite, os alhos esmagados e a massa de pimentão. Misture bem e deixe marinar por, pelo menos, 3 horas. 
Aqueça um pouco de azeite e junte-lhe a banha, quando esta derreter, adicione o entrecosto. Deixe a carne fritar bem de ambos os lados até dourar levemente, retire-a para um prato e reserve em local quente.
Coe a gordura da fritura do entrecosto e volte a deita-la na frigideira, que também deve ser limpa de resíduos. Junte-lhe o pão desfeito em pequenos pedaços e verta-lhe água a ferver em quantidade suficiente para o amolecer. Mexa até que fique papa e tempere com sal e pimenta. 
Comece, então, a abanar a frigideira, para lhe dar o aspecto redondo e até que fique bem seco e comece a enrolar como se fosse uma omolete. Quando dourar levemente está pronto.
Tranfira para um prato de servir. Rodeie com o entrecosto e polvilhe com os coentros frescos.
Sirva acompanhado de laranja fatiada.




Para acompanhar este prato, recomendo:

Alicante Bouschet

Monsaraz - Alentejo Doc
Carmim

Casta: Alicante Bouschet (100%)

Uvas provenientes de talhões selecionados, com maceração pré-fermentativa de 48h, seguida de fermentação a 23ºC com recurso a remontagem e delestage, maceração total de 15 dias, seguida de estágio em barrica de 2ª utilização de carvalho francês durante 12 meses. Após engarrafamento o vinho estagia em garrafa durante 6 a 8 meses.

O vinho apresenta-se com uma cor vermelha violeta carregada, com aromas de fruta silvestre, fruta madura e chocolate, em boca é amplo, intenso, com um final de prova prolongado



Aqui estão os produtos fantásticos que usei na preparação deste prato.

O meu muito obrigada à Costa & Ferreira Panificadora, Paladin, Suldouro, Necton Carmim pela simpatia e pelos produtos, de grande qualidade, que me enviaram







quinta-feira, 16 de Outubro de 2014

Parceria com Panificadora Costa & Ferreira





É como muito gosto que informo, a todos os que me visitam, acerca da parceria entre o Nárwen's Cuisine e a Panificadora Costa & Ferreira
Esta é uma panificadora sediada em Rio Maior que produz pão cozido a lenha em fornos de alvenaria. Esta caraterística proporciona-lhe um sabor incrível e incomparável com outros.
E, como hoje é o Dia Mundial do Pão, nada mais apropriado que mostrar a minha marca de pão favorita, a que faz o pão que me remete à infância e que tem aquele "saborzinho" caseiro, a forno de lenha. 


A origem do Pão de Rio Maior remonta a própria origem da Costa & Ferreira, quando o proprietário, Sr. Joaquim Costa, iniciou o fabrico de uma receita exclusiva de um pão caseiro cozido à lenha em fornos de alvenaria para fornecimento de duas pequenas churrasqueiras de sua propriedade e da esposa, D. Rita, na localidade de Rio Maior.
O pão tornou-se famoso pela sua côdea estaladiça e interior macio e saboroso, sendo especialmente apreciado como acompanhamento aos famosos “frangos assados da Rita”.
Com a grande procura por restaurantes e posteriormente pequenos mercados, o pão tradicional ficou conhecido por como Pão de Rio Maior, devido a seu fabrico neste concelho localizado na região do Ribatejo, a cerca de 80km de Lisboa.
Com frescura e qualidade inalterada por um longo período de tempo o Pão de Rio Maior passou a ser conhecido através dos seus consumidores e comercializado a nível nacional nas grandes superfícies, sendo hoje uma das marcas reconhecidas como um produto tipicamente português.


VISÃO
Ser reconhecida a nível europeu pelo fabrico do Pão de Rio Maior, produto genuíno português.

MISSÃO
Oferecer aos seus clientes produtos de panificação tradicional com qualidade e segurança alimentar reconhecidas, proporcionar oportunidades de negócio para todos os seus parceiros e contribuir para uma alimentação saudável dos consumidores finais.

VALORES
Satisfazer as necessidades dos seus clientes com transparência e ética de modo a garantir a qualidade dos produtos e promover a valorização dos colaboradores e parceiros.


O que mais quero salientar é que, esta panificadora, não produz um pão qualquer; este pão é cozido a lenha em fornos de alvenaria. Esta caraterística proporciona-lhe um sabor incrível e incomparável com outros.

Em seguida, passarei a indicar alguns dos pães produzidos pela empresa, caso a queira contatar para fazer uma encomenda, tanta para uso pessoal como para venda no seu negócio, são estes os dados:

Morada:
Estrada D. Maria II – Alto da Serra
2040 – 063 Rio Maior PORTUGAL

Telefone: +351 243 991 113

E-mail:info@panificadora-costaeferreira.pt


Para adquirir este pão excecional poderá dirigir-se ás seguintes superfícies comerciais: Continente, Lidl, Pingo Doce, Intermarché, Minipreço, Carrefour, E.Leclerc, Jumbo e Pão de Açúcar.




Pão de Rio Maior  (450g - 900 g ou fatiado) ::: Pão 7 Cereais (400g)





Broa de Milho Amarelo (400g) ::: Broa de Milho Branco (600g)




Pão Integral (80g) ::: Caralhota (180g)




Cortadinho (80g) ::: Bola da Avó (90g)




Paposseco (80g) ::: Pão com Chouriço (120g)



Chapata (400 g) 





Para finalizar, vou mostrar algumas fotografias com os produtos que a Panificadora Costa & Ferreira teve a gentileza de me oferecer. Posso dizer que, ao abrir a caixa enviada, um sorriso instalou-se no meu rosto e não mais de lá saiu.

E é fácil de perceber porquê! Pois quem não gosta de receber produtos de qualidade inestimável?





O meu muito obrigada à Panificadora Costa & Ferreira pela simpatia e pelos produtos fantásticos que me enviaram. 

Por fim, posso dizer que é de louvar a qualidade destes produtos e que estou desejosa de fazer receitas com eles para, mais tarde, partilhar convosco.


Imprimir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...